Menu fechado

Hotel para cachorro – 5 dicas de como escolher o melhor?

Hotel para cachorro – 5 dicas de como escolher o melhor?

Vai viajar e não tem onde deixar o pet? Descubra como escolher o melhor hotel para cachorro.

Até poucos anos atrás, hotel para cachorro era uma ideia distante dos tutores brasileiros. Valeria a pena gastar dinheiro para não deixar os cães durante as viagens da família? Mas, pouco tempo depois do surgimento dos primeiros estabelecimentos, a ideia “pegou” e as hospedagens têm crescido ano a ano. Resta a dúvida: como escolher a melhor hospedagem para cães?

Os brasileiros têm optado pelos hotéis de cachorro não apenas durante as viagens de negócios ou lazer. Nos períodos de intensa atividade profissional, em que sobra pouco tempo – e, mesmo assim, apenas para comer e dormir –, muitos tutores desenvolveram o hábito de deixar cães e gatos hospedados e ocupados.

É importante considerar as características de temperamento dos pets antes de procurar um hotel para cachorro. Os animais muito apegados aos tutores podem sofrer de ansiedade ao serem deixados em um ambiente estranho e desconhecido.

Pode ser necessário um período de adaptação e é muito importante que o estabelecimento disponha de alguma forma de atenção personalizada. É evidente que um hotel para cão não consegue reproduzir as condições da casa dos pets, mas a presença de funcionários disponíveis para afagos e companhia, além da satisfação das necessidades básicas, é um diferencial importante para a escolha.

Os pré-requisitos para se hospedar

Em princípio, todos os cães podem ficar hospedados em hotéis para cachorro. Mesmo que eles ainda não tenham sido ensinados a fazer as necessidades fisiológicas em um lugar adequado, a permanência é de curta duração e os estabelecimentos contam com funcionários para dar conta da faxina.

As exceções são as seguintes:

  • pets com a caderneta de vacinação desatualizada;
  • pets com sinais visíveis de problemas dermatológicos, a menos que haja um laudo médico atestando que não se trata de doenças infecciosas;
  • cadelas grávidas;
  • cachorros extremamente ansiosos e apegados aos tutores, especialmente nas estadias muito prolongadas;
  • animais muito agressivos, com histórico de violência contra humanos e animais de estimação.

As razões de cada um para deixar o cachorro em um hotel

Alguns tutores também hospedam os seus cachorros durante períodos de festividades. No Brasil, é comum a queima de fogos nas finais de campeonatos – especialmente quando um time local está disputando o título –, nas festas juninas e nas comemorações de fim de ano.

Existem estabelecimentos equipados com abafadores de som, para evitar ou atenuar que os pets sofram com o barulho. Mesmo em localidades que proibiram os fogos de artifício, a legislação quase sempre é falha e a fiscalização, inexistente;

No final do ano, mesmo para quem não vai viajar, um hotel de cachorro é uma boa ideia para não deixar o pet sozinho. São muitas festas – amigo secreto do trabalho ou da escola, celebrações com amigos e parentes mais distantes e as ceias de Natal e réveillon.

É reconfortante pensar que, enquanto nós estamos confraternizando, os nossos peludos estão em um lugar seguro, com atividades adequadas, segurança e alimentação garantidas. Resta a escolha: o que um hotel de cachorro precisa disponibilizar para se tornar a melhor opção.

Hotéis para cachorros: Encontrando os locais

A escolha de uma hospedagem para cachorro deve ser criteriosa. Nós precisamos adotar cuidados ainda maiores do que quando vamos viajar: ao chegar a um hotel e descobrir que as acomodações não são ideais, o serviço de quarto deixa a desejar e os horários do restaurante são incompatíveis com a nossa agenda, sempre podemos trocar de estabelecimento.

Com os cachorros, isto não acontece. Mesmo que o serviço do hotel seja péssimo, eles não saberão reclamar. Eventuais doenças infecciosas só apresentarão sintomas dias depois da hospedagem, restando sempre a dúvida se o pet foi contagiado no hotel ou no passeio diário.

Nós precisamos verificar as acomodações, refeições, atividades recreativas, segurança e serviços de emergência (por exemplo, remoção para um hospital veterinário em caso de acidente).

Indicações e avaliações são sempre bem-vindas. Caso você conheça alguém que já deixou o pet hospedado, converse bastante, até tirar todas as dúvidas. Pesquise as opiniões de outros tutores, para ter certeza de que o hotel para cachorro é seguro e acolhedor.

Além disso, o hotel para cachorro precisa ficar próximo à nossa casa – ou no trajeto da nossa viagem ou deslocamento.

Hotel para cachorro – Como escolher o melhor? 

1 – Procure o hotel para cachorro na Internet

A rede mundial de computadores é um excelente aliado na escolha do melhor hotel para cachorros. Os sites dos estabelecimentos postam fotos e vídeos das instalações, relacionam o quadro de pessoal que cuida dos pets, informa possíveis restrições (alguns hotéis não aceitam animais em tratamento médico ou fêmeas no cio, por exemplo).

Além da checagem online das comodidades, também é possível identificar eventuais queixas de tutores com alguns estabelecimentos. Existem sites específicos, como o Reclame Aqui, que apresentam não apenas as reclamações, mas também as providências tomadas pelos gestores e a impressão geral dos clientes depois da solução final dos problemas.

Existem também fóruns virtuais especializados e grupos nas redes sociais, em que é possível acompanhar discussões e encontrar as melhores opções para deixar o cachorro com segurança, conforto e atividades.

2 – Visite o Hotel

Uma vez selecionadas algumas opções (escolhe duas ou três, para garantir a hospedagem), é importante visitar os locais considerados mais adequados, ao menos durante a pesquisa na internet.

Fotos e vídeos podem ser bonitos, mas muitas vezes eles são editados. Em outros, de acordo com os ângulos a partir dos quais os ambientes foram fotografados, pode-se ter uma impressão errada dos espaços de alimentação, descanso e exercícios.

É preciso verificar não apenas os ambientes, mas também as condições de higiene, a qualificação dos profissionais envolvidos na hospedagem canina, a possibilidade de serem servidas rações especiais e ministrados medicamentos e as exigências do hotel para cachorro.

Desconfie de estabelecimentos que vetam a visita a algumas instalações. A menos que o espaço esteja em reforma – e isto fica evidente ao primeiro olhar – inspecione os locais para dormir, brincar, comer e fazer as necessidades. Tudo precisa estar limpo e higienizado.

Com relação aos ambientes partilhados e exclusivos, o porte e as condições físicas do cachorro interferem significativamente. Um espaço de seis metros quadrados é mais do que suficiente para as atividades de animais de porte pequeno, mas certamente é inadequado para meia dúzia de cães molossoides, como mastins napolitanos e dogues alemães, por exemplo.

3 – Um período de adaptação

Os bons hotéis para cachorro costumam oferecer um “dog day” – um período de adaptação em que são verificadas as condições e reações dos pets à ausência dos tutores e à presença constante de estranhos – humanos e outros animais de estimação.

Cães não costumam reagir bem a situações desconhecidas: eles preferem a certeza da rotina, os lugares partilhados desde que eram filhotes, ou, pelo menos, desde que foram adotados. Por isso, o período de adaptação pode identificar possíveis problemas.

Brigas com outros hóspedes, recusa à alimentação, agressividade com os cuidadores, são alguns transtornos que os cachorros podem apresentar – e é importante saber disso com antecedência, para não ter os planos de viagem frustrados.

A maioria dos estabelecimentos não aceita a permanência de cães agressivos ou violentos. Portanto, se o seu pet foi estimulado a vigiar a casa e a rechaçar a presença de estranhos, vistos como possíveis invasores, o hotel para cães provavelmente não será uma boa escolha.

Nestes casos, talvez seja melhor convencer um vizinho a fornecer alimento e conversar pelo menos alguns minutos por dia, mesmo que seja através do muro. A casa estará uma bagunça quando os tutores retornarem da viagem, mas é uma situação melhor do que ter de responder, muitas vezes judicialmente, por brigas, ameaças e agressões durante a estadia.

Esta é uma situação extrema. Mesmo os pets mais antissociais podem ser hospedados em hotéis para cachorro, desde que as condições sejam negociadas: confinamento, interação com tratadores, etc.

Os maiores problemas costumam ocorrer com cães muito apegados à família humana. Em alguns casos, eles podem até ficar fisicamente doentes, tanto pela ausência dos tutores, quanto pela permanência em um ambiente estranho e considerado hostil ou perigoso pelos pets. Estresse e ansiedade podem causar danos severos.

Em algumas condições, o ideal é esquecer a ideia de deixar o cachorro em um hotel e procurar um estabelecimento (para humanos) que seja pet friendly, isto é, que permita a permanência de animais de estimação nos apartamentos e em alguns locais específicos. A maioria dos cães, no entanto, se adapta aos hotéis e a experiência quase sempre é divertida e positiva.

4 – Pacotes turísticos

Os hotéis para cachorros não se limitam a fornecer básico: alimento, higiene, segurança e um espaço para brincar, tomar sol e explorar. Diversos estabelecimentos oferecem recreações como hidroginástica, jogos coletivos, interação com outros animais, etc.

Existem hotéis que oferecem banhos de ofurô, aromaterapia (para atenuar a ansiedade), comida caseira (inclusive com opções vegetarianas no cardápio) e outros pequenos luxos para os pets.

A maioria dos hotéis para cachorro, no entanto, disponibiliza os seguintes serviços:

  • acomodações individuais;
  • espaços livres e cobertos para prática de atividades físicas;
  • alimentação;
  • tutoria de atividades;
  • serviços de sociabilização;
  • higienização, conforto e segurança.

Alguns estabelecimentos contam com serviços extras, como banho e tosa, corte de unhas, adestramento específico, plantão veterinário 24 horas por dia com médicos e enfermeiros, etc. Os tutores escolhem de acordo com as necessidades dos pets e, claro com a disponibilidade financeira.

O custo da estadia, evidentemente, varia de acordo com as mordomias contratadas. Quanto maior o rol de serviços disponíveis para os hóspedes, mais caras são as diárias.

Os valores da hospedagem variam de acordo com a época do ano, os serviços específicos disponibilizados (alimentação especial, dog sitter, etc.), o tempo de permanência, as necessidades de cada pet.

Em São Paulo, por exemplo, é possível encontrar hotéis para cachorro com diárias a partir de R$ 50, em estabelecimentos pequenos (normalmente gerenciados por veterinários, adestradores, etc.). os preços, no entanto, podem ultrapassar os R$ 1.000 por dia.

5 – A escolha da melhor hospedagem para cães

Ao deixar o seu peludo pela primeira vez em um hotel para cachorro, trabalhe esta ideia com tranquilidade. Em geral, especialmente quando nós pensamos em férias, temos a ideia geral de aproveitar alguns momentos em família – e a possibilidade de deixar o pet sozinho pode parecer uma forma de abandono.

No entanto, quando o tutor faz tudo certo, não há motivos para pensar desta maneira. Um hotel para cachorro é um local divertido e seguro. Além disso, a sociabilização é um aspecto importante no desenvolvimento canino.

Conviver com outros cachorros, apesar de poder ser desagradável inicialmente, torna-se uma experiência proveitosa e diferente. Os pets vivenciam situações inéditas e positivas. Claro, também existe a expectativa do reencontro.

Lembre-se: Hotéis para cachorros possuem regras próprias e cabe aos responsáveis pelos hóspedes acatá-las. Ao hospedar o seu pet, não se esqueça de informar sobre necessidades específicas e características de temperamento, como propensão ao isolamento e agressividade com estranhos.

No retorno para casa, é importante levar o cachorro para uma visita ao veterinário. Doenças como a tosse dos canis (traqueobronquite infecciosa) se espalham facilmente em espaços compartilhados. Além disso, o pet pode ter se envolvido em uma briga, ou sofrido um acidente ao interagir com um brinquedo desconhecido.

Artigo Original

Veja também:  Vara de pescar curta ou longa: como escolher? [Vídeo]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *