Menu fechado

Como vender um imóvel com segurança? – Jornal Dia Dia

Venda, Vendida, Mão, Assinatura, Casa, Compra

A internet expandiu as possibilidades para quem deseja vender uma casa ou um apartamento. Ao mesmo tempo, infelizmente, os crimes cibernéticos também causam prejuízos em milhares de brasileiros. Por causa disso, alguns cuidados são necessários para aqueles que desejam vender um imóvel com segurança e evitar transtornos no futuro.

Fazer este trabalho sem a ajuda de um corretor é uma tarefa bem complicada já que o vendedor não conseguirá fazer uma avaliação correta do preço do imóvel e também pode cometer erros na negociação.

Diversas plataformas permitem o anúncio de venda do imóvel na internet, mas são poucos que oferecem uma consultoria eficiente para ajudar o usuário a ter sucesso na operação e evitar dores de cabeça.

Para te ajudar, selecionamos aqui algumas algumas dicas de como vender um imóvel com segurança. Confira!

Cuidados com a documentação – Ao contar com a ajuda de um corretor, o proprietário do imóvel que deseja vendê-lo já saberá todos os documentos que deverá providenciar.

São diversas certidões que podem gerar idas e vindas aos cartórios, prefeituras e outros órgãos. É importante destacar que tempo é dinheiro e a esse atraso pode gerar novas despesas e até a desistência do comprador.

A orientação correta reduz o tempo de espera e agiliza a negociação, sendo o saldo positivo para os dois lados.

Definição do preço – Órgãos como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) fazem a medição frequente do custo básico do metro quadrado nas grandes cidades do país. Essa é uma informação de partida que auxilia a saber o preço que você pode pedir pelo imóvel que está à venda.

Se a sua cidade ou bairro não fizer parte destes levantamento, você pode ainda aproveitar o Conselho Federal de Corretor de Imóveis (Cofeci) para descobrir o preço médio cobrado por imóveis na sua região.

Veja também:  Homebrew - Como fazer o envase da cerveja

Por fim, você pode entrar em alguns sites para ver o preço praticado na região por imóveis similares ao seu.

Tenha em mente que a negociação pode envolver redução do preço ou aumento do prazo de pagamento. Por isso, quando for definir o valor da venda do seu imóvel, faça uma conta respeitando essa margem de negociação.

Evite intermediários – É recomendável sempre que você conte com o auxílio de um corretor credenciado ao Cofeci da sua região para acompanhar toda a negociação, encurtar o prazo e aumentar a segurança da operação.

Porém, o alerta é para evitar que amigos ou mesmo desconhecidos atravessem e façam a intermediação do negócio.

É muito comum ver nos noticiários que um farsante se passou por corretor e deu golpe em comprador ou vendedor em diversas negociações. Diante deste cenário, proteja-se!

Exija toda a documentação da imobiliária ou corretor que estiver te ajudando neste processo. Da mesma forma, se um comprador te procurar e recomendar que você trate com o corretor dele, solicite toda a comprovação e também verifique no Cofeci regional se as informações são verdadeiras.

Evite contratos de gaveta – Essa é uma prática em muitas comunidades brasileiras. Uma pessoa tem um financiamento direto com o banco e outra faz a compra e garante o pagamento das mensalidades, mas sem a formalização do negócio para não passar novamente pela instituição financeira.

Mesmo que pareça uma boa iniciativa entre amigos ou familiares, esta é uma prática que pode gerar diversos transtornos às partes envolvidas.

Por exemplo, comprar ou vender um imóvel entre casais e que, um destes, acabe em uma separação, pode gerar uma briga judicial por aquele bem que ainda não foi transferido. O mesmo pode acontecer com a possível morte de um dos envolvidos, levando o assunto aos tribunais. Para que correr este risco?

Veja também:  Como Investir com Muito ou com Pouco Dinheiro

Siga os procedimentos legais. Se a pessoa interessada na compra quer manter um financiamento do imóvel, oriente ela a buscar a aprovação direta na instituição financeira e então migrar o débito para seu CPF. É uma prática que tem por objetivo proteger vendedor e comprador.

Se o corretor te orientar, em algum momento, a adotar um contrato de gaveta para um comprador, fuja dele e busque orientação de outro profissional!

Mantenha a operação em uma instituição bancária – Independente do valor da negociação, evite o recebimento de dinheiro em espécie. Além de ser uma obrigação legal, já que a Receita Federal precisa ser informada sobre este tipo de operação, fazê-la com a ajuda de um banco vai garantir que o valor estará em sua conta antes de efetivar a transferência em cartório.

Também é recomendável que se evite comentar sobre essa operação com amigos ou mesmo em redes sociais, já que a movimentação de alto valor pode despertar o interesse de criminosos no ambiente virtual.

Estado do imóvel – Combine com o comprador sobre a situação atual do imóvel que está a venda e tenha um canal aberto com ele para possíveis reparos que não estejam visíveis.

Por exemplo, quem se responsabiliza por problemas no encanamento uma semana após a venda?

Para se preservar sobre estas e outras questões, a orientação é que conte com a ajuda de uma imobiliária, um corretor ou uma advogado para efetivar o procedimento e evitar problemas futuros após a venda do seu imóvel.

Mayk Souza

Artigo Original

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *